Taxa de juros: como funciona e qual o impacto na economia?

Mesmo que você seja muito ligado ao mundo dos investimentos, já deve ter ouvido algumas vezes e, assim, ter uma certa ideia do que se trata a taxa de juros, não? Bom, independentemente de caso você não saiba também, não faz mal, porque agora, neste post do blog da Xpeed, você passará a ter uma melhor noção sobre esse tema. Muitas vezes, para se ter ideia, a taxa de juros diz muito a respeito do cenário econômico que um país como o nosso está passando.

Por isso, compreender como a taxa de juros contribui para melhores resultados nas aplicações financeiras – dado que isso afeta de maneira direta a rentabilidade da maioria dos investimentos disponibilizados no mercado.

 O que é e como funciona

O conceito de taxa de juros pode ser entendido, na prática, como uma compensação pelo tempo que o dinheiro ficou emprestado. Por exemplo, essa taxa é o preço que os tomadores de empréstimo pagam aos emprestadores para usarem um dinheiro que não é seu durante um dado período – podendo chamarmos de ‘o valor do dinheiro no tempo’.

Uma outra forma de dizer isso é que a taxa de juros é um índice aplicado em produtos financeiros, principalmente os ligados ao mercado de crédito. Portanto, além de remunerar empréstimos e financiamentos, é utilizado para remunerar investimentos, ainda mais aqueles de renda fixa. Aliás, os governos também utilizam esse índice como forma de incentivar ou conter a demanda de uma economia.

Cenário de alta da taxa de juros

Para que entenda melhor, vamos explicar o que geralmente acontece com as duas possibilidades da taxa de juros, começando pelo cenário de alta. Dentro desse contexto (de alta), a tendência é que todas as outras taxas do mercado também cresçam. Dessa forma, isso ocasiona uma situação de crédito mais restritivo às empresas e às famílias brasileiras. Por outro lado, tal momento também representa uma forma de incentivo aos investimentos de renda fixa.

Isso porque os rendimentos desses investimentos ficam mais atrativos por estarem atrelados a essa taxa – que, nesse caso, estaria em alta. De todo modo, em questão de consumo a tendência é de que haja redução tanto para as famílias quanto para as empresas. Com isso, a empregabilidade da população sofre o mesmo, o que resulta no restringimento de renda, fazendo-as consumir ainda menos.

E todo esse impacto segue acontecendo até chegar ao PIB (Produto Interno Bruto), que também é reduzido. Apesar dessa toada negativa, o reflexo na inflação é diferente, já que ela acaba ficando mais sob controle. Aliás, por isso é até comum que uma alta dos juros possa ser feita como um modo de manter justamente a inflação sob controle.

 Cenário de baixa da taxa de juros

Agora, com o cenário oposto do falado no tópico anterior, é de se imaginar que as consequências também sejam as opostas, certo? Por isso, em um contexto de redução da taxa Selic, a tendência é que todas as outras taxas do mercado também caiam.

Dessa forma, a situação de crédito fica mais barata, o que representa mais acessibilidade às empresas e às famílias brasileiras. Além disso, ocasiona um incentivo ao consumo das famílias e nas empresas, já que os rendimentos sobre os investimentos tendem a ficar menos atrativos. Com isso, empregabilidade da população aumenta e, assim, resulta no aumento da renda das famílias, fazendo-as a consumir ainda mais. Tudo isso também chega até o PIB, que aumenta, e contata-se um crescimento econômico.

A preocupação fica por conta da inflação, em que pode se haver um curto, uma vez que a oferta diminui e a procura cresce.

Fonte: Blog XPeed School XP Investimentos

https://inspirainvestimentos.com.br/wp-content/uploads/2018/09/icon_local-65x65.png

Nossos endereços:

Santa Maria | RS
(55) 2103.3600
Rua Floriano Peixoto 1709 | sala 501
santamaria@inspirainvestimentos.com.br

Santa Cruz do Sul | RS
(51) 2106.3600
Rua Marechal Deodoro 568 | sala 301
santacruz@inspirainvestimentos.com.br

Telefone Ouvidoria
(XP Investimentos)

0800 722 3710

©2018 Inspira Investimentos.
Todos os direitos reservado.